Pesquisa aponta que má postura é principal causa de dores nas costas e musculares

 
 
e-mail icon

A terceira edição da pesquisa A Dor no Cotidiano, realizada por Advil com o apoio do Ibope Conecta, traz dados inéditos sobre como o brasileiro lida com a dor e o que faz para tentar evitá-la. Quando o assunto são as dores nas costas e musculares, os participantes do estudo afirmam que manter uma boa postura corporal no dia a dia (58% e 38%, respectivamente) é a principal atitude para impedir que os incômodos apareçam. Além disso, para evitar as dores musculares, praticar atividade física regularmente é uma atitude importante para 37% dos participantes. Já para prevenir a dor de cabeça, os entrevistados procuram manter uma boa noite de sono (46%) e controlar o estresse (45%).

A pesquisa mostrou também que as dores mais frequentes entre a população brasileira seguem os mesmos padrões da edição anterior2, realizada em 2016. Dos entrevistados, 76% dizem ter tido dor de cabeça pelo menos uma vez nos últimos três meses, 65% afirmam terem tido dor nas costas e 63% relatam ter tido dores musculares em outras partes do corpo.

O presidente da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), Irimar de Paula Posso, explica que, a fim de evitar a dor, é fundamental conhecer o próprio corpo e respeitar seus limites. “Praticar exercício regularmente, com moderação e acompanhamento profissional, é importante para se proteger das dores nas costas e musculares e uma ótima maneira de ter mais qualidade de vida”, destaca.

Maior causa de afastamento do trabalho3, a dor nas costas é a mais frequente entre os participantes da pesquisa, tanto em 2016 quanto em 2017: dos entrevistados que sofrem com o incômodo, 65% sentem essa dor pelo menos uma vez por semana. Ano passado, o percentual registrado foi de 64%. “Fazer atividades repetitivas ou ficar muito tempo na mesma posição – sentado, de pé ou dirigindo, por exemplo – podem ser causas de dor nas costas. A orientação é utilizar móveis ergonômicos e calçados adequados, além de movimentar-se periodicamente e alongar-se”, ressalta o especialista. O uso prolongado do celular, com a cabeça baixa, excesso de peso e o próprio envelhecimento também contribuem para a frequência das dores nas costas.

As dores musculares, entretanto, também são bastante constantes. Entre os que têm dores musculares, 57% sentem pelo menos uma vez por semana. As principais causas apontadas pelos participantes da pesquisa para as dores musculares são má postura (58%) e excesso de exercício (56%). Na sequência, os motivos citados são gripes ou resfriados e excesso de trabalho ou estudo, com 48% e 42%, respectivamente.

Quando analisados por faixa etária, o estudo mostra que quanto mais jovens mais as pessoas tendem a associar excesso de exercício e gripes e resfriados a dores musculares. Os mais velhos, ao contrário, destacam-se por associar a falta de exercício à dor muscular. “As dores decorrentes dos exercícios físicos podem ser causadas por seu excesso, mesmo quando a pessoa está condicionada, ou pela prática de movimentos que o corpo não está acostumado, ainda que sejam atividades cotidianas, como varrer a casa ou subir escadas”, explica Posso.

Para aliviar a dor

Ter consciência do próprio corpo e buscar atitudes que ajudam a evitar a dor é fundamental para ter bem-estar no dia a dia. Sabemos, porém, que, de vez em quando, a dor pode aparecer. Para esses momentos esporádicos, o uso de um analgésico é a solução. A pesquisa mostrou que os principais fatores que levam os entrevistados a confiarem em uma marca de analgésicos são a qualidade e a eficácia (50%), seguidos pela indicação do médico (25%).  

Metodologia da pesquisa

Conduzida pelo IBOPE CONECTA em parceria com Advil, a terceira edição da pesquisa A Dor no Cotidiano foi elaborada para entender como os brasileiros lidam com as dores musculares, nas costas e de cabeça, e o quanto estão dispostos a modificar comportamentos que possam causar o incômodo. 

A pesquisa contemplou 1.954 entrevistas, realizadas pela internet com homens e mulheres, acima dos 16 anos, das classes ABC, em todo país, com base proporcional à da população de internautas do Brasil. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais com 95% de confiança.

 

Receba nossas notícias

Go to top